Reforma Agrária e Direitos Territoriais

fundo de pasto.jpg

Este Eixo de atuação visa contribuir para a ação de organizações e movimentos sociais no campo no sentido de implementar uma Reforma Agrária associada à política de reconhecimento de direitos territoriais e de reparação racial. A AATR atua tanto junto a trabalhadores acampados e assentados, organizados em movimentos sócias como o Movimento de Luta pela Terra – MLT e Movimento Estadual de Trabalhadores Assentados, Acampados e Quilombolas – CETA, a entidade assessora comunidades tradicionais no Estado da Bahia, fazendo parte também de articulações regionais e nacionais nesse campo.

Comunidades Quilombolas


A luta das comunidades quilombolas contra a violência do latifúndio e a discriminação racial a partir de sua atuação na formulação de políticas públicas e na instituição de direitos é marcada por significativos avanços. Porém, a efetivação destas conquistas defronta-se atualmente com um virulento antagonismo político das elites agrárias e transnacionais, que avançam sobre as terras tradicionalmente ocupadas. A isto se soma a persistente omissão estatal no dever de titular os territórios negros e promover políticas públicas para a melhoria das condições de vida das comunidades quilombolas.
Nesse contexto, a AATR busca apoiar as pautas reivindicatórias das comunidades negras rurais com vistas à superação da invisibilidade sociopolítica, a efetivação de seus direitos territoriais e o enfrentamento da política agrária socialmente excludente e marcada pelo racismo institucional. A entidade age também na assessoria judicial direta a essas comunidades, especialmente nos casos de ameaça à integridade de seus territórios e de ameaça a suas lideranças e integrantes. Atualmente, a AATR acompanha diretamente comunidades no estado da Bahia, em especial na região metropolitana de Salvador, e nas regiões do Recôncavo Baiano, Baixo Sul e Oeste do estado. Além disso, a entidade participa de ações de incidência e litigância estratégica em questões nacionais envolvendo essas comunidades, a exemplo da participação na defesa bem sucedida do Decreto 4.887/2003 contra Ação Direta de Inconstitucionalidade movida pelo Democratas (antigo PFL).

Comunidades Tradicionais de Fundos de Pasto


Desde a sua criação a AATR atuou de modo a contribuir na luta pelo reconhecimento e garantia dos direito das Comunidades de Fundo e Fechos de Pasto, acompanhando em defesa dos trabalhadores ações judiciais possessórias e requerendo em procedimentos administrativos a regularização fundiária das terras das comunidades, o que respaldou a entidade a colaborar para a inclusão na Constituição do Estado da Bahia de 1989 do direito a regularização fundiária das comunidades de fundos e fechos de pasto, em vigor até os dias atuais (parágrafo único do artigo 178).
Atualmente a AATR tem trabalhado em parceria com a Coordenação Estadual de Fundo e Fecho de Pasto, em especial o acompanhamento da implementação no estado da Bahia de regularização fundiária dessas comunidades. A entidade também acompanha diretamente conflitos envolvendo Comunidades e Associações de Fundo e Fechos de Pasto, nas regiões Centro-Norte e Oeste do estado da Bahia.

Comunidades Indígenas


A AATR acompanha a luta de povos indígenas por seus territórios tradicionais, em especial no combate à criminalização de lideranças e militantes desses povos e na garantia de sua liberdade.

Terras Públicas na Bahia

A discussão da questão agrária na Bahia perpassa por uma reflexão sobre a destinação das terras públicas e o seu processo histórico de apropriação ilegal (grilagem) por latifundiários. Estima-se que cerca de 47% do território baiano seja composto de terras públicas devolutas. Com esta área, segundo o Plano Regional de Reforma Agrária Publicado pelo INCRA em 2007, seria possível solucionar completamente a demanda de reforma agrária emergencial (posseiros em situação irregular, minifúndios e acampados) do Estado, além de regularizar a posse tradicional de diversas comunidades que frequentemente, encontra-se em áreas de terras devolutas e veem-se obrigadas a resistir violentos processos de grilagem.A articulação de entidades e movimentos sobre a temática das terras públicas na Bahia resultou em uma série de Seminários Estaduais e Regionais pautando a temática da discriminação, arrecadação e demarcação de terras públicas na agenda dos movimentos sociais, assessorias e universidade. A grilagem de terras está diretamente ligada à atuação da AATR na defesa de comunidades geraizeiras no Oeste da Bahia, em conflito direto com grandes empreendimentos do agronegócio estruturados na posse fraudulenta de territórios tradicionalmente ocupados pelas comunidades.

037.jpg